Revisitando um pouco a minha infância, vejo que nunca acreditei de verdade no Papai Noel. Tentei acreditar e tal, mas aos 5 anos quando reconheci meu pai, debaixo do gorro e da barba ficou difícil.

Digo mais, achava mais crível o coelho da páscoa. É muito mais fácil um animal cagar chocolate q um velho barbudo com veados voadores percorrer o mundo em uma hora.

Mas, toda essa descrença caiu por terra quando escutei Dia de Natal, segunda faixa do álbum É Pra Meninos, do portuga B Fachada.

B faz um relato tão real de um Natal frustrado, que o Pai Natal (é assim d’além mar) parece tátil, tosco mais tátil. “Será q eu fui bonzinho no ano passado, ou o velhinho é que tá meio acabado”.

Aliás, este flashback da infância, não tem outro culpado a não ser B Fachada É Pra Meninos, lançado no Natal de 2010. O álbum, na verdade, parece um livro de contos…

Antes de me ater às letras e às histórias deste disco, mas não posso deixar passar em branco a bela instrumentação, que mistura instrumentos ditos sérios com tralhas de brinquedo.

Voltando, cada música neste disco soa como um conto e narram histórias das mais comuns duma infância das mais comuns. As histórias variam desde o já mencionado Natal até o inefável crescer (O Futuro), passando pelo primeiro amor (Mochila do Carteiro e Agosto), a chatice da escola (Primeiro Dia), chegada de irmãos (Barrigão). Em suma faça um review de sua infância, é disso que aqui fala B Fachada.

Poderia escrever, e muito, sobre cada uma dessas músicas, dada a profundidade e a veracidade de cada uma delas, cada personagem, cada passagem. Aí que está, mais que um livro de contos, É Pra Meninos é um daqueles álbuns de fotografia da infância, com espiral e filme plástico envolvendo as fotos.

(que mágico, não achei nenhum vídeo oficial deste disco)

Boas Enjambradas!

Anúncios